Arquivos para posts com tag: Sabedoria

PASSANDO OS OLHOS por uma lista de 16 Coisas Que Vão Você Fazer Se Sentir Velho, pessoas da minha faixa etária ficam nostalgicamente emocionadas com o brinquedo no qual você fazia a autopsia de um alien com gosma dentro, ou com o jogo da vida, ou com os GI Joe, ou com o pogobol, ou inúmeros outros exemplos de nostalgia imbuída as produtos de massa. O problema é que essas coisas nos faz sentir velhos mesmo, e o real valor da idade perde sentido neste movimento, onde a descontinuidade de um produto faz você sentir todo o peso dos anos que o trouxeram até aqui.

Com os vinte nove anos que tenho, eu não sou velho, e algo que nunca quero perder a noção, o foco, é o valor que outros mais velhos que eu realmente possuem, que eu não tenho. Um ser humano de 60 anos, qualquer um deles, mesmo que seja um raquítico professor universitário, paupérrimo de experiências e mundo de fora, tem muito mais a me apresentar, de maneira muito mais complexa, do que eu poderia ser capaz de entender. Eles aprenderam lições que muitas vezes não são transferíveis através da linguagem codificada da escrita e fala, e é essa a diferença para mim entre conhecimento e sabedoria, e o mero (como se fosse pouco) existir no mundo, os deu uma sabedoria que você ainda não possui.

neb


Fora isso também existe uma velha ferramenta da retórica, o argumentum ad novitatem que, pelo próprio desenvolvimento e enraizamento do falso progressismo evolucionista em nossas jovens cabeças, nos faz sentirmo-nos velhos. A crença de que enxergar algo que nos foi próximo e não mais está lá, como o brinquedo de autopsia alienigena, aliado à constante e crescente ansiedade de estarmos perdendo algo sempre, nos autoriza confundir a perda de algo extremamente fugidio, com o peso idade, com o valor da experiência, com a gravidade da sabedoria. Não, você não está ficando velho, só está passando tempo de mais na internet.

Anúncios

UMA CENA HIPOTÉTICA: Você vê algum compartilhamento na rede, observa alguém postar uma foto, lê um comentário e comenta logo em seguida, algo nos termos aproximados: “Na verdade o que faz o refrigerante ficar sem gás é o equilíbrio da pressão interna da garrafa, então tanto faz se você fecha a garrafa com muita ou pouca força, o que muda é o tanto de líquido que está dentro da garrafa (quanto menos líquido mais espaço para o ar dentro da garrafa, portanto ao entrar em equilíbrio com a pressão interna da garrafa o refrigerante vai ficar com pouco gás, não importa a força da “tampada” que você der na garrafa)”. Coisas que você não está fazendo ao escrever esse tipo de comentário: Sendo engraçado, passando conhecimento, desenvolvendo um diálogo, sendo uma pessoa sociável, se mostrando ser uma pessoa inteligente.

O que deve ser mais curioso para quem faz esse tipo de comentário corriqueiramente (e por vezes eu fui esse tipo de pessoa) é a ultima observação supracitada, soar inteligente. Existe uma ideia romântica do gênio, do indivíduo com poucas aptidões sociais que é capaz de através de seu intelecto chegar onde poucos humanos na história conseguiram, visionários destemidos que agraciados com clareza e propósito em seus focos, quebram barreiras e mostram algo novo e incrível para o mundo. Quando se faz um comentário como o hipotético acima, você absolutamente não está sendo nada disso.

Seu amigo saudosista postou uma foto do jaspion, a sua correção dos comentários da foto só mostram como você é um babaca não o seu conhecimento dessa famosa série japonesa.

Seu amigo saudosista postou uma foto do jaspion, a sua correção dos comentários da foto só mostram como você é um babaca e não o seu conhecimento sobre essa famosa série japonesa.

A minha mãe usa um termo que confesso não saber da onde veio que é o Deitar Sabença, que pode ser aplicado a esse tipo de ação de ensinar a alguém o erro em seus comentários, fotos, piadas, etc. O que se ensina a alguém através deste tipo de atitude é geralmente a sua própria falta de capacidade e argúcia em entender cinismos, sarcasmos e formas análogas. Quando você deita uma sabença você não está dizendo muita coisa sobre a pessoa que teve a sabença deitada sobre, você está se revelando uma pessoa muito pomposa e orgulhosa de seu próprio conhecimento, conhecimento este que geralmente vem de fontes externas ao seu próprio estudo, ao seu próprio debruçar-se sobre, conhecimento enfim que se visto de perto e com atenção,  nem conhecimento é. Deitar Sabença, na maior parte das vezes, é uma reprodução de factóides adquiridos por você através dos anos, e você pode ter orgulho dos vários factóides adquiridos por você através dos anos, eles podem realmente ser admiráveis mas, a sua falta de capacidade de interpretação de contexto, direção, ironia, humor, discurso, narrativa, perspectiva, etc. Provavelmente é mais admirável que o seu relicário de informações sobre cultura pop e cientificismos arraigados